Reflexões da Lara

6/10 Segundas para 2019 | por Lara Daianna

Olá pessoas!

Onde eu estava em 2018?

Quem me conhece sabe, ao meu lado sempre tem um caderno preto e uma lapiseira. Ah! E as vezes um livro.

Nessa segunda dia 10 vou contar a história do meu caderno preto pautado.

Coisas fofas de papelarias ou “bugigangas” igual diz minha mãe sempre foram algo que me chamara atenção. Me lembro que na minha adolescência andando pelo centro de Curitiba eu, minha irmã e minha prima percorria as lojas dos coreanos em volta da praça Tiradentes . Era uma bagunça. Tanto que naquela época R$ 20,00 era TANTO dinheiro que voltávamos para a casa com a sacola cheia de coisas inúteis que nunca iriamos usar por que com “pena” de estragar. 

Cresci, mas as lembranças daquele tempo bom em Curitiba nunca me saíram da memória e foi partindo desse fascínio que ainda cultivo o ato de anotar coisas no papel, o efeito “analógico” como gosto de chamar. E foi com esse adoração ao universo da papelaria que comprei canetas coloridas, adesivos e aproveitei o caderno preto pautado para criar um objetivo maior no ANO DE 2018: PLANEJAR !

Vocês não fazem ideias da quantidade de coisas que pensei em escrever no meu caderno dos sonhos de 2018! 

Ideias de post para o blog, planejamento da loja virtual Cayçara Artesanatos, minha rotina de estudos do inglês e até minha planilha de treinos para os 42k, enfim tudo que desejava realizar em 2018 eu colocaria ali.

E com as memorias da minha infância sonhadora em Curitiba me peguei escrevendo na primeira folha do caderno: 

DESPESAS FINANCEIRAS PARA JANEIRO 2018!

Pasmem! 

Foi isso que escrevi na primeira folha do caderno que deveria ser de realizações e não um excel de folhas amareladas.

Obvio que planejamento financeiro ainda mais para quem está perto de entrar na fase adulta ou quase é importante, mas sonhar deveria ser ao menos uma pequena prioridade na vida de uma Virginiana metódica não acham?

E a partir daí o circulo vicioso que não deveria ter escrito já estava ali, grifado, sublinhado a ponto de transferir para outra página e assim se ficou até agora….Mas calma que nem tudo são rascunhos não acabados nesse caderno.

Durante as semanas pulei algumas páginas e até troquei de cor de caneta sabiam? O padrão preto e vermelho mudou para o tom de Azul meio Vinho quase um tom de roxo. 

Metade do caderno chegou em julho de 2018 onde respirei fundo e percebi que tudo que havia escrito mentalmente estava começando a se concretizar. Pulei algumas folhas novamente até chegar em Outubro onde vi pela primeira vez uma luz ao  final desse ano….

Novamente me fiz a pergunta:

Onde eu estava em 2018?

Fiz tanta coisa esse ano e ele ainda não terminou! 

Reescrevi minha história de vida toda em primeira pessoa, e venho escrevendo até agora. Hoje, ela tem mais reticencias do que ponto final mas nada que não possa ser reescrito.

Faltando poucas semanas para 2019 eu decidi mudar novamente o rumo do meu 2018, voltando na época onde eu só queria saber como ter aqueles cadernos fofinhos e canetas para sempre!

Com a cabeça de guria criei coragem de parar de procrastinar sonhos e desejos e praticar a GRATIDÃO!

Muitos de nós passaram o ano de 2018 no piloto automático como se fossemos uma máquina de escrever programada para não terminar a frase com UM PONTO FINAL e nisso ficamos PRESOS a incertezas e anseios, deixando de fazer o que realmente ACREDITAMOS.

Ainda dá tempo de DESCOBRIR ONDE VOCÊ ESTAVA EM 2018?

Ah, o caderno preto pautado onde ele está agora?

No lixo!

Mas antes eu fui eu rasguei uma das páginas mais importantes dele….

estava la no final.

Lá está escrito um nome de uma pessoa que apaguei da minha memória de vida.

Quem sabe ela volta para escrever novamente nossa história em 2019?

Lara

Olha que fofos essas opções de calendários!!!!

Reflexões da Lara

Meu querido diário – Reflexões da Lara | por Lara Daianna

Viva o hoje, o agora!

Quando era mais novinha tentei por algumas vezes ter um diário mas nunca consegui de fato ter o hábito de escrever os acontecimentos do meu dia naquelas folhas de poucas linhas e com cheiro de morango. Algo me chamava atenção naquela época e uma delas era o por que aquele caderno  vinha com aquele “cadeadinho” tão frágil e de chave em formato de coração, onde qualquer “humano” pseudo “mães” poderia abrir e ler todos os segredos ali escritos com canetas em gel e de cheiro de tutti-frutti.

E mais algumas de nós tínhamos uma memória de elefante para lembrar de exatamente tudo que acontecia com nossos 10 anos!  Hoje nem lembrar a senha do iCloud eu consigo guardar!

Bem como falei a pouco eu tentei algumas vezes escrever em um diário mas sem sucesso por alguns motivos. Um deles era de lembrar dos acontecimentos mais importantes de uma menina de 10 anos e outro de parar e escrever tudo com uma letra bonitinha para meus netos ao lerem conseguirem entender o que se passou naquela época. Acho que nasceu aí o fato de eu procrastinar tantas coisas. E que preciso trabalhar um pouco mais sobre minhas memórias de curto e longo prazo.

Mas por que estou falando sobre isso ?

Esses dias eu me peguei pensando que muitas coisas da minha infância eu não lembro mais sabia? Minha mão começou a organizar fotos antigas e quando olhei algumas delas eu se quer fazia ideia que tinha feito tudo aquilo quando mais nova e que parecia um “piá de saia” com meus primos no sitio do interior do Paraná.

Fiquei preocupada e comecei a tentar puxar na minha memoria fatos e acontecimentos ocorridos num curto espaço de tempo, ou seja, dos últimos 8 anos poucas coisas eu me recordo.

As ideias clarearam na minha cabeça como se fosse … *putz esqueci aquela frase de efeito..

voltando

Os acontecimentos que ali ocorreram eu não vivenciei 100% como deveria ter feito!

Calma sem desespero vou explicar.

Posso não ter estado totalmente mergulhada no momento ali vivido por mim e meus colegas mas de uma coisa eu não me esqueço.

eu estava ocupada!

Não trabalhando diretamente mas olhando um tela luminosa e irritavelmente viciante e em minha volta pessoas na mesma situação só que de maneiras um tanto diferente.

Qual o problema disso? Somos uma sociedade conectada pronta para imersão em qualquer forma de tecnologia digital e artificial;

E a humana? Onde fica?

Quer um exemplo?

Um lindo entardecer de sábado, mar calmo e de pouco vento ótimo para uma corrida a beira mar não é mesmo? Foi exatamente o que eu fiz mas com uma diferença – deixei meu telefone em casa!

Venho fazendo isso ultimamente para ir a academia e vem funcionado de forma eficaz ao meus treinos, faça um teste.

Voltando a praia quando cheguei o que reparei foi de todos os “humanos” em seus grupos olhando para baixo exatamente para a tela do celular enquanto a sua frente se passava uma vida linda com cheirinho de brisa de mar e vento fresco…

Quer exemplo melhor que isso?

Seria um hipocrisia eu que trabalho com internet ir ao contrário desse universo. Eu adoro a internet e o que ela pode nos proporcionar e uso e muito para meu trabalho mas se tem algo que vem tomando um grande tempo nas nossas vidas é o uso excessivo de ficar sempre cuidando da vida dos outros, se policiando no que vai escrever no feed para passar o ar de mais culto ou que se importa com o derretimento das geleiras da Antártica, enfim não viver a sua própria vida!

Lembra do diário?

Naquele tempo não tinha internet e ainda sim nos policiarmos para escrever sobre determinados fatos já prevendo se no futuro alguém tivesse acesso aos registros.

Porém vivíamos cada momento por inteiro sem precisar dar check-in em facebook, postar foto no instagram ou resenhar no twitter em 140 caracteres como foi a noite.

Lembre -se

Viva o hoje, o agora !

E se puder compartilha senão guarde no seu diário de infinitas páginas e sem cadeado..

em suas memórias…

seus amigos irão adorar escutar um dia….

 

Lara